TITLE

DESCRIPTION

JOB(S)olidarity 2.0

O PROJETO

O projeto JOB(S)olidarity parte de uma experiência enriquecedora, amplamente positiva e indicada como Boa Prática pela própria Agência Nacional Juventude em Ação (AN) à SALTO – o projeto JOB(S)olidarity (2018-1-PT02-ESC21-005628).
Dado o sucesso do primeiro projeto, acreditamos que o nosso papel – enquanto associação voltada para a juventude – é batalhar na resolução do problema social dos jovens em situação e risco de exclusão social que ainda se mantem (e enfrenta novos obstáculos dado o cenário mundial de pandemia). O problema assume consequências distintas sendo, uma das mais prementes, a consequência direta no défice de competências profissionais, pessoais e sociais, que limita a integração no mercado de trabalho de forma consciente e adaptável.

O problema social dos jovens e dos jovens em situação e risco de exclusão social é um problema global, verificado em Águeda, em Portugal, na Europa e no Mundo. Este problema tem como consequência direta o défice de competências profissionais, pessoais e sociais, o que não lhes permite integrar o mercado de trabalho de forma consciente e adaptável.

Assim, é necessário fomentar a inclusão social de jovens com menos oportunidades nas diferentes possibilidades e oportunidades europeias e dar oportunidades de Emprego a Jovens facilitando a transição para o mercado de trabalho.

CORPO EUROPEU DE SOLIDARIEDADE

O Corpo Europeu de Solidariedade(CES) é a nova iniciativa da União Europeia dirigida aos jovens, dando-lhes a oportunidade de fazer voluntariado ou de trabalhar em projetos, no próprio país ou no estrangeiro, em benefício de pessoas e comunidades de toda a Europa. Depois de se inscreverem, os participantes no Corpo Europeu de Solidariedade podem ser selecionados e convidados a integrar uma vasta gama de projetos. Os projetos apoiados pelo Corpo Europeu de Solidariedade podem durar entre dois e doze meses, decorrendo, regra geral, em países da União Europeia. Este projeto proporciona às jovens oportunidades de emprego, ajudando-os a melhorar suas competências e experiência, facilitando assim a sua empregabilidade e sua transição para o mercado de trabalho. Oferece também aos jovens uma oportunidade única para ganhar experiência e fazer um arranque no mercado de trabalho, contribuindo simultaneamente para enfrentar importantes desafios societais. Em acréscimo, esta oportunidade dos jovens se inserirem no mercado de trabalho será benéfica para si e para os setores de poder, organismos nacionais e locais, organizações não governamentais e empresas nos seus esforços para enfrentar vários desafios. Todos os jovens participantes no projeto pertencem ao CES.
O JOB(S)olidarity é financiado pelo Corpo Europeu de Solidariedade.

AGÊNCIA NACIONAL ERASMUS+ JUVENTUDE EM AÇÃO

A Agência Nacional Erasmus+ Juventude em Ação é a estrutura de missão que pretende assegurar a gestão, em Portugal, do Programa Erasmus+ nos domínios da juventude e do desporto, bem como assegurar a gestão e a execução das atividades ainda em vigor do Programa “Juventude em Ação”. Coordena ainda a rede de informação Eurodesk em Portugal. A AN Erasmus+ Juventude em Ação apoia Intercâmbios de Jovens, Voluntariado Europeu, Formação Internacional, Parcerias Estratégicas e eventos de Diálogo Estruturado. Presta apoio e informação na dimensão do Desporto e ao Corpo Europeu de Solidariedade do Erasmus+.

A Agência Nacional Erasmus+ Juventude em Ação apoia o projeto JOB(S)olidarity.

CONTRIBUTO PARA OS OBJETIVOS DO CORPO EUROPEU DE SOLIDARIEDADE

Os objetivos do projeto coincidem com os objetivos do CES, uma vez que:

  • Proporcionam aos jovens oportunidades de emprego, ajudando-os a melhorar suas competências e experiência, facilitando assim a sua empregabilidade e sua transição para o mercado de trabalho;
  • Oferecem, também, uma oportunidade única para ganhar experiência e fazer um arranque no mercado de trabalho, contribuindo simultaneamente para enfrentar importantes desafios societais;
  • Capacitam os jovens e, ainda, os setores de poder, organismos nacionais e locais, organizações não governamentais e empresas nos seus esforços para enfrentar vários desafios;
  • Contribuem para a colmatação de situações de exclusão social mediante a melhoria das perspetivas profissionais dos jovens com recurso à capacitação e experimentação em contexto real;
  • Contribuem para o ganho de confiança, motivação e incentivo dos jovens com menos oportunidades graças à facilitação da transição e integração no mercado de trabalho.

PORQUÊ UM PROJETO DE ESTÁGIOS E EMPREGO?

Os empregos e/ou estágios de qualidade são aqueles com acréscimo de valor pessoal e social, que enfatizam o contributo do indivíduo no crescimento e desenvolvimento da sociedade, mediante as oportunidades existentes e sempre em coerência com a Lei do Trabalho nacional. O projeto foi baseado em contratos escritos que respeitaram os termos e as condições de emprego segundo a lei nacional em vigor. Em Portugal são conhecidas as dificuldades de acesso ao mercado de trabalho por parte dos jovens, os entraves na continuidade dos postos de trabalho e na incoerência entre a oferta desenhada e a realidade laboral imposta. Ainda, acrescem as dificuldades para jovens em situação ou em risco de exclusão social e em jovens NEET. Para estes jovens, as condições de empregabilidade pioram pela inexistência de orientação e pela sua dificuldade em conseguir encontrar oportunidades que permitam o desenvolvimento das suas competências e promover novas aprendizagens. Através do Corpo Europeu de Solidariedade, o JOB(S)olidarity veio colmatar uma necessidade de empregabilidade jovem.

OBJETIVOS

O grande objetivo deste projeto é a inclusão de jovens com menos oportunidades nas diferentes possibilidades e oportunidades europeias. Deste modo, pretendemos dar resposta à elevada taxa de jovens em situação e risco de exclusão social e jovens NEET em consequência direta do défice de competências profissionais, pessoais e sociais, que não lhes permite a inserção no mercado de trabalho.

Objetivos a curto prazo:

1 | Criação de oportunidades de emprego a jovens facilitando a transição para o mercado de trabalho;

2 | Capacitação e desenvolvimento de competências pessoais, sociais e profissionais;

3 | Criação de emprego jovem enquanto se desenvolve desafios societais (acima identificados) e se coloca o jovem como agente apto para a resolução;

4 | Incentivo à adoção de pensamentos e atitudes empreendedoras, criativas e proativas dos jovens;

5 | Sensibilização da comunidade para a premência em potenciar atitudes empreendedoras para desenvolvimento da região, nomeadamente a nível da inclusão social e do mercado de trabalho, e para o reconhecimento das oportunidades da UE;

6 | Promoção dos valores sociais europeus, nomeadamente a solidariedade.

Objetivos a longo prazo:

1 | Reconhecer o potencial do jovem através do seu desenvolvimento pessoal, profissional e social;

2 | Incentivo ao envolvimento de empresas, instituições sociais e públicas nas práticas locais e promoção de novas iniciativas para a inserção dos jovens no mercado de trabalho;

3 | Contribuição para a melhoria das situações NEET;

4 | Contribuição para a melhoria das situações de exclusão social;

5 | Contribuição para a melhoria dos problemas da discriminação social, incluindo a discriminação jovem do mercado de trabalho.

PARTICIPANTES

Formadas em psicologia, com idade compreendida entre os 18 e os 30 anos, as participantes são jovens NEET que enfrentam obstáculos económicos pela dificuldade em encontrar emprego e obstáculos geográficos, por serem provenientes de localidades com altas taxas de desemprego e falta de oportunidades de desenvolvimento de competências.

Ana Mendes

Experiente em voluntariado europeu, conceção e desenvolvimento de projetos sociais, trabalho com comportamentos de risco, competências comunicacionais e com certificado de Formação Pedagógica Inicial de Formadores (CCP).

“Foi muito gratificante participar neste projeto. Desenvolvi competências ao nível da gestão e implementação de projetos assim como planeamento e implementação de sessões de ENF. Agora sinto-me uma profissional mais competente e confiante.”

Daniela Costa

Experiente em voluntariado europeu, atividades de desenvolvimento cognitivo, estimulação motora e social, dinamização de atividades e projetos sociais, dinamização de atividades com jovens, idosos e refugiados, e com CCP.

Daniela Martins

Experiente na temática das dependências e comportamentos aditivos, em avaliação e intervenção cognitiva e psicoeducação, trabalho de desenvolvimento de competências socio emocionais e dinamização de atividades de animação sociocultural.

Foto Ana Mendes
WhatsApp-Image-2021-03-26-at-14.21.20
Foto Daniela Martins

MENTORIA

As participantes foram acompanhadas e apoiadas através de mentoria que lhes facilitou o processo de identificação de estilos de aprendizagem, gerir expectativas, integrar o desenvolvimento de competência e refletir. A mentora facilitou o processo de construção do log-book personalizado do projeto, onde as participantes registaram experiências, pensamentos, aprendizagens, entre outros, utilizando diferentes meios de registo como por exemplo escrita, desenho e pintura, estratégia essencial para acompanhar as jovens ao longo do tempo e criar termos de comparação, compreendendo de que modo o projeto está a ser responsivo aos objetivos, expectativas e necessidades das mesmas. As jovens tiveram oportunidade de ser acompanhadas por uma mentora com a qual partilharam expectativas, geriram o seu mundo interno e fizeram dinâmicas de promoção da coesão de grupo e do bem-estar emocional. A supervisão técnica capacitou as jovens para o desenvolvimento, implementação e avaliação das atividades e todas as semanas houve um momento privilegiado de reflexão e integração de informação, através de uma reunião interna, para promover o crescimento pessoal e profissional das jovens. Além do acompanhamento assíduo em termos de capacitação para o planeamento, implementação e avaliação de atividades, ao longo do projeto as jovens tiveram oportunidade de ter workshops de diferentes áreas.

 

O projeto providenciou o incentivo e apoio à cooperação virtual, na medida em que os as jovens foram incentivadas a usar meios digitais como meio complementar ao processo de aprendizagem. Com apoio na identificação dos meios mais ajustados, com apoio no uso e com apoio na construção e implementação da cooperação virtual, o objetivo foi que as participantes se apropriassem dos meios digitais para interagir, refletir, debater e cocriar com outros jovens motivados e interessados nas atividades. O apoio técnico e a mentoria no projeto deu-se com a integração de técnicos especializados e experientes, de forma a assegurar o devido acompanhamento e transferência de aprendizagens e de conhecimentos.

 

Os técnicos foram responsáveis por introduzir a educação não-formal (ENF) e as dinâmicas características através da partilha de projetos onde foi incluída a ENF no trabalho com as menos oportunidades e desenvolver dinâmicas como get to know each other; team building para fortalecer os laços de cooperação; brainstorming  para estimular ideias, criatividade, participação, reflexão e pensamento crítico; técnicas de mindfulness para trabalhar a autorregulação, autoconsciência e gestão emocional; coaching pessoal para planificação e definição de metas pessoais e grupais.

VP – VISITA DE PLANEAMENTO

A experiência no projeto anterior JOB(S)olidarity demonstrou que é importante efetivar um conhecimento antecipado do que existe, do que será desenvolvido e do que é esperado, enquanto direitos e deveres dos participantes, para que a integração no projeto decorra de forma consciente e motivada. De igual modo, a visita de planeamento do JOB(S)olidarity 2.0 foi uma atividade fundamental para compreender as reais motivações, expectativas e objetivos das participantes para que se conseguisse, desde o momento inicial, adequar a intervenção e promover o seu crescimento pessoal, social e profissional.

 

A 7 e 8 de janeiro de 2021, a Visita de Planeamento permitiu garantir a realização de atividades com qualidade e efetivamente ajustadas às necessidades, expectativas e motivações das jovens participantes, num clima de confiança, segurança e de cooperação, mediante uma partilha e reflexão em proximidade. Com esta visita, foi promovida uma integração plena e saudável no projeto, na medida em que as participantes puderam conhecer o espaço, as pessoas, as funções, as responsabilidades e os direitos e deveres. Além disso, a Visita de Planeamento levou à fomentação do reconhecimento do tecido social local, de forma que as jovens iniciassem a criação e o reforço de sinergias com agentes e entidades locais.

“A visita de planeamento foi bastante esclarecedora quer a nível do conhecimento do CES e Erasmus+, quer a nível da Educação Não Formal em “teoria” e na prática. Senti-me bastante acolhida por toda a equipa e pelos stakeholders. Estou muito motivada para dar os passos seguintes, principalmente depois desta visita que me deu uma visão geral de todo o trabalho desenvolvido pelo Centro de Juventude de Águeda.” (Daniela Martins)

WEEK STARTER

De 11 a 15 de janeiro de 2021 foi promovida uma semana de integração das jovens na organização, na equipa e na comunidade. O objetivo da atividade foi que cada uma compreendesse o seu papel, as suas responsabilidades e funções já integradas no contexto de trabalho, para reconhecerem a equipa de trabalho e a forma como poderiam contribuir ao longo da sua jornada. Sendo jovens de outras regiões, esta semana permitiu que conhecessem a comunidade, as necessidades e as ações desenvolvidas pelo Centro de Juventude de Águeda para a melhoria das suas condições. A semana inicial permitiu também às jovens estabelecer objetivos pessoais, sociais e profissionais, com metas a atingir, reconhecendo as expectativas e os receios inerentes e criar o seu lugar na organização, em ambiente de confiança e enquadrado.

ATIVIDADES DE GESTÃO E PLANEAMENTO

As Atividades de Gestão e Planeamento levaram a uma gestão eficiente e eficaz do projeto. Ao longo do período do projeto, a gestão foi contínua e teve momentos orientados para análise da consecução dos objetivos e resultados esperados, de forma a estabelecer processos e procedimentos ajustados para alcançar o sucesso do projeto. Fizeram parte destas atividades momentos de planificação, avaliação, adaptação, reuniões com stakeholders neste âmbito e reuniões semanais com a equipa interna do Centro de Juventude de Águeda.

EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL

A metodologia educativa do projeto é não-formal, o que quer dizer que o processo de facilitação de desenvolvimento de competências se organiza sem seguir requisitos educativos formais. A educação não-formal é um complemento à educação formal dos estabelecimentos de ensino. A educação não-formal reconhece as experiências dos indivíduos ao longo da vida e é um processo de aprendizagem social focado na pessoa em si, podendo ocorrer em qualquer lugar através de dinâmicas estruturadas, inovadoras e apelativas que remetem para a consecução dos objetivos bem definidos à priori. Baseada na participação voluntária, inclusiva e não hierárquica, a educação não-formal levou a que as jovens questionassem e interpretassem os problemas e as necessidades identificadas no projeto por forma a assumir uma postura proativa, dinâmica e consciente na resolução dos mesmos.

 

A ENF permite a identificação de estilos de aprendizagem, facilita o desenvolvimento de competências chave para a vida e valoriza o processo. A ENF valoriza as emoções e a integração através da reflexão e partilha, promovendo assim o desenvolvimento pessoal e social. Pelas vantagens inerentes, o projeto foi desenvolvido através de metodologias de educação não-formal para capacitar as participantes e facilitar o seu processo de desenvolvimento de competências.
Além disso, a educação não-formal também foi utilizada na interação com os jovens para facilitar o seu processo de desenvolvimento de competências. Por exemplo, foram desenvolvidas as seguintes atividades:

Instagram Live com o Camaleaooo

As participantes constataram que as camadas mais jovens têm interesse em ouvir as partilhas de Youtubers e Influencers. Por isso, no carnaval de 2021, as participantes organizaram um direto no Instagram com o objetivo de desmistificar a ideia do que é ser TikToker e influencer nas redes sociais. À data, o Camaleaooo tinha 73.000 seguidores no TikTok e 12.000 no Instagram, por fazer vídeos com vários personagens, entre eles o Sensualão e o Dj Kamisa d’Bénus que são os mais conhecidos, recorrendo a adereços e à dança. Foi elaborado pelas jovens um plano de ação para obtenção e autorização superior, contactado o tiktoker e preparada uma entrevista semi-estruturada que respondeu a perguntas sobre o projeto, a conciliação entre o online e a vida pessoal, a criação das personagens, a importância do humor para lidar com a pandemia e estratégias para desenvolver competência no âmbito da criação de conteúdo digital.

Desconfina a Mente

Aquando da quarentena em 2021, o CJA organizou o ciclo de formações Desconfina a Mente com diversos temas e dinamização por parte dos projetos do Centro. As participantes do JOB(S)olidarity 2.0 foram capacitadas para organizar o evento online, dar-lhe visibilidade e facilitarem workshops:

  • Oficina das Emoções: sessão sobre autoconsciência e desenvolvimento da inteligência emocional através do reconhecimento das emoções.
  • Personaliza-te!: Atividade de desenvolvimento de competências pessoais, como a comunicação assertiva, negociação, empreendedorismo, criatividade e inovação.
  • Oportunidades da Europa: Os voluntários europeus do projeto CES VOLUNTEER(S)olidarity participaram no evento através da criação de um workshop supervisionado pelas jovens, com o objetivo de fazer chegar a jovens e organizações informações sobre o voluntariado no âmbito do Corpo Europeu de Solidariedade.
  • Erasmus+ e CES, o que é isso?: Atividade para jovens e organizações conhecerem os programas europeus.
  • Quais são os Objetivos para a Juventude?: Atividade direcionada aos jovens para sensibilizar para os Youth Goals e discutir formas de atingi-los.
  • Adolescência, a ansiedade em tempos de pandemia: Partilha de estratégias práticas para controlo de ansiedade.

Semana Europeia da Juventude 2021

Durante a semana de 24 a 30 de maio as jovens participaram na Semana Europeia da Juventude através do CJA. O tema deste ano foi «O nosso futuro nas nossas mãos», onde as jovens participantes e os voluntários europeus do projeto VOLUNTEER(S)olidarity deram a 115 jovens a oportunidade de definirem objetivos e contribuírem para iniciativas de melhoria da situação em sessões presenciadas de ENF nas escolas; ajudaram os voluntários a criar posters com factos, feitos de personalidades e curiosidades sobre o meio ambiente e a era digital e que foram difundidos junto do comércio local aguedense para sensibilizar não só os jovens mas toda a comunidade geral; recolheram fitas com mensagens de comprometimento, pensamentos e propostas no âmbito da ação climática, para colocar no gradeamento do CJA, prática recorrente de usar as fitas escritas pela comunidade e participantes em projetos para o culto das mensagens e motivação de pares; atividade de remo pelo futuro, uma atividade desportiva de sensibilização para o meio ambiente.

VOLUNTEER(S)olidarity

O CJA acolheu 8 voluntários europeus através o projeto de parcerias de voluntariado que contou com oito voluntários europeus, cujos objetivos principais foram promover práticas sociais, culturais e educativas ajustadas às necessidades dos jovens locais e da comunidade através da implementação de atividades promotoras de valores europeus, solidariedade e interculturalidade; disseminar oportunidades europeias na área da juventude; Contribuir para a melhoria dos problemas da exclusão e discriminação social e a baixa participação social. As atividades decorridas foram atividades para integração dos voluntários na comunidade, apoio linguístico, desenvolvimento de competências de empreendedorismo, relacionadas com a transformação de necessidades em ideias e ações, criação e implementação de projetos pessoais, formação e atividades de reforço sócio pessoal e desenvolvimento de competências-chave, mentoria, promoção do diálogo intercultural e da solidariedade em instituições locais, como o exemplo das escolas, e atividades nos serviços educativos da Câmara Municipal de Águeda, como Centro de Artes de Águeda, Águeda Living Lab, Biblioteca Municipal Manuela Alegre, entre outros. As participantes do JOB(S)olidarity 2.0 tiveram oportunidade de promover a integração dos voluntários na comunidade, facilitar o desenvolvimento de competências, acompanhar em actividades e frequentar aulas de inglês.

VOGUI

O VOGUI – Vocational Guidance based on Non Formal Education – é uma iniciativa de intervenção comunitária enquadrada no POISE – Programa Operacional Inclusão Social e Emprego – em colaboração com o parceiro social, Câmara Municipal de Águeda, que visa o trabalho contínuo de competências pessoais e sociais, orientação vocacional e tomada de decisão em jovens em período de transição, nomeadamente 9.º e 12.º ano auxiliando na escolha consciente e informada para que no futuro se tornem profissionais realizados e cidadãos participativos na sua comunidade. Prevê também o desenvolvimento de competências pessoais e sociais em jovens NEET (que não estudam, não trabalho e não estão em formação), apoiando à capacitação da procura ativa de emprego, desenvolvimento de motivação intrínseca e realização pessoal e profissional. Para além das atividades contínuas conta também com as atividades pontuais: testemunhos, jobshadowing, visitas às empresas, bootcamps e Feira de Oferta Formativa. No âmbito do VOGUI, as participantes tiveram a oportunidade de implementar sessões junto dos jovens do Município de Águeda, adquirindo novas competências na área da intervenção social e colocando em prática os seus conhecimentos na área da psicologia.

“A iniciativa VOGUI, cofinanciada pela Portugal Inovação Social, visa a resposta a um problema encontrado por muitos jovens, na mesma situação em que me encontrei antes da oportunidade facultada pelo projeto JOBS 2.0. (…)tive a oportunidade de implementar dinâmicas utilizando a metodologia de educação Não Formal, onde capacitamos alunos de 9.º e 12.º ano de cinco do conselho de Águeda e jovens NEET em competências essenciais para o alcance das suas perspetivas de futuro(…)De um ponto de vista profissional, a gestão e implementação desta iniciativa, permitiu o meu desenvolvimento, crescimento e capacitação quer em todas as fases que consubstanciam a gestão e desenvolvimento de projetos. A nível pessoal, tornou-me mais capaz, mais assertiva, auxiliou a melhoria das minhas capacidades de gestão de tempo, gestão de expectativas e trabalho em equipa.” (Daniela Costa)

Emoaction – Emoção em Ação

A Iniciativa EMOACTION – Emoção em Ação é um Programa de Intervenção Comunitária enquadrado no POISE – Programa Operacional Inclusão Social e Emprego, que visa o desenvolvimento e reforço de competências emocionais de crianças e jovens, em frequência escolar, através do desenvolvimento de atividades e dinâmicas, em contexto escolar, baseadas em metodologias de educação não formal. Com a participação neste projeto, para além de explorarem os seus conhecimentos adquiridos na área da psicologia, as jovens tiveram a possibilidade implementar sessões e dinâmicas junto de crianças e jovens, advertindo para a importância das emoções numa vida saudável.

TAME – Together Against Minorities Exclusion

O projeto TAME, apoiado e financiado pela Agência Nacional Erasmus+ Juventude em Ação, surge na necessidade de promover a inclusão social de s migrantes, refugiados ou minorias étnicas, provocadas pelo enorme preconceito e desinformação que existe perante estes grupos. Este intercâmbio contou com a participação de 49 jovens de Portugal, Espanha, Itália, Grécia, Roménia, Polónia e Eslovénia e teve como principal objetivo sensibilizar os jovens e a sociedade para os problemas e os processos de exclusão social enfrentados por estes grupos. As participantes do JOB(S)olidarity 2.0 tiveram a oportunidade de elaborar e implementar as sessões preparatórias com os participantes portugueses, assim como apoiar na logística, desenvolvimento e implementação de algumas sessões do intercâmbio, coordenando os voluntários CES neste sentido.

“Este projeto teve um impacto enorme em mim. Desde abril que tenho desenvolvido sessões com os jovens ciganos, participantes neste intercâmbio, de forma a capacitá-los para a sua participação. Durante este processo, eu própria me capacitei, pois senti necessidade de procurar auxílio e orientação por parte dos colegas, relativamente à dinamização de dinâmicas de Educação Não Formal e sobre o programa Erasmus+. No intercâmbio, auxiliei na preparação dos voluntários para estes serem capazes de implementarem as dinâmicas.” (Ana Mendes)

Youth I(T)C – Youth In(tercultural)clusion

O projeto Youth I(T)C, apoiado e financiado pela Agência Nacional Erasmus+ Juventude em Ação, pretende atender ao problema social da dificuldade de inclusão social enfrentada pelos migrantes, refugiados ou minorias étnicas, provocadas pelo enorme preconceito e desinformação que existe perante estes grupos. Este Training Course contou com a participação de 36 Técnicos de Juventude, provenientes de Portugal, Espanha, Grécia, Itália, Polónia, Roménia, Eslovénia, Bulgária e Croácia.
As participantes do Job(S)olidarity 2.0 tiveram a oportunidade de assistir ao TC como participantes não financiados, assim como coordenar os voluntários CES para a logística do evento (ex: preparação das salas, coffee breaks, pesquisa de jogos tradicionais portugueses, etc.).

“Foi bastante enriquecedor auxiliar na preparação e na logística neste Training Course, tendo também a oportunidade de assistir a um formador experiente nas questões da exclusão social e discriminação. Participei no TC como um participante não financiado, o que me permitiu refletir bastante sobre a temática e aprender novas dinâmicas e abordagens.” (Ana Mendes)

DIVULGAÇÃO E INFORMAÇÃO

Através de dinâmicas de ENF, as jovens participantes deram a conhecer as oportunidades existentes a nível europeu, demonstrando o potencial de criação de valor e de geração de impactos da metodologia. O projeto apostou na divulgação e informação aos jovens, pois pretendeu-se uma extensa e intensa informação dos jovens com menos oportunidades e consciencialização para as oportunidades existentes a nível europeu quer no âmbito de desenvolvimento pessoal e social, como no âmbito de empregabilidade e de integração laboral. Estas atividades foram diversas, desde informais, a diretas de forma presencial e indiretas através das redes sociais e meios de comunicação, e visaram promover o conhecimento e o reconhecimento dos jovens face às oportunidades existentes e a relação existente com as suas motivações e interesses pessoais.


Na organização e fora dela durante atividades dos próprios projetos do CJA, as jovens disseminaram o projeto e partilharam a sua experiência entre pares, junto professores e técnicos de diferentes instituições. Ao longo do projeto, as jovens experienciaram o dia-a-dia da loja Europa Jovem no Centro de Juventude de Águeda onde tiveram oportunidade de fazer atendimento aos jovens.


O booklet do projeto foi distribuído em suporte papel e em suporte digital junto de jovens, stakeholders, órgãos locais, nacionais e internacionais, e desta forma disseminaram-se resultados e boas práticas. O booklet bilingue revelou-se inclusivo e abarcou uma dimensão internacional, por também ter sido entregue às Agências Nacionais Erasmus+ Juventude em Ação.


As jovens também partilharam as suas experiências e disseminaram oportunidades na área da juventude junto de jovens, especialmente junto de jovens com menos oportunidades, nos seguintes momentos específicos:


1| Time to Move (Eurodesk) – As jovens estiveram presentes no Roadshow da Agência Nacional, onde disseminaram oportunidades na área da Juventude e deram o seu testemunho sobre a experiência num projeto do Corpo Europeu de Solidariedade. Estiveram presentes 100 participantes que receberam merchandise provido pela Agência Nacional.
2| Atendimento aos jovens na Loja Europa Jovem para disseminar oportunidades na área da juventude.
3| Semana Europeia da Juventude 2021: Ao longo da SEJ, que decorreu de 24 a 30 de maio, as participantes, em coordenação com as técnicas do CJA, deram sessões nas escolas em que disseminaram as oportunidades para os jovens a nível europeu e advertiram para a importância do ambiente, o tema central da SEJ 2021.
4| Partilha online: através da página do Facebook do Centro de Juventude de Águeda, de 103 oportunidades na área da juventude. Esta recolha foi efetuada pelas jovens, assim como os posts de disseminação, tendo demonstrado sentido crítico na seleção de informação estratégica.
5| Partilha de testemunhos e disseminação de programas europeus junto dos participantes de todos os projetos do CJA.


De forma geral, em todas as atividades proporcionadas pelas jovens, foi apresentado o programa e as jovens partilharam a sua vivência.

 

DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS E FORMAÇÃO

Entre 18 de janeiro e 24 de dezembro as participantes desenvolveram competências, tanto no terreno junto do target-group, como através de atividades que as colocaram numa experiência de funções enquanto técnicas de juventude no CJA, após capacitação para atendimento a jovens, disseminação de oportunidades e planeamento de atividades e eventos.


As jovens foram integradas nas atividades do CJA e seus projetos e em atividades que os voluntários europeus do projeto VOLUNTEER(S)olidarity se encontravam a desenvolver no momento. Desta forma, as jovens integraram as dinâmicas com os demais para que desenvolvessem competências e aprendizagens, quer na lógica de implementação, como na lógica de partilha de conhecimento, de experiência, de (re)conhecimento do grupo e do contexto social e de aproximação comunitária. Com esta atividade foram promovidos valores sociais europeus como a solidariedade, a tolerância, o respeito e a união.

O projeto também assumiu a capacitação de outros jovens com menos oportunidades e o desenvolvimento de competências e aprendizagens inerentes. O objetivo foi que, com apoio e supervisão da organização, as jovens conseguissem orientar, capacitar e formar os jovens da comunidade para as oportunidades existentes a nível europeu, partilhassem plataformas, documentos e conteúdos essenciais para o conhecimento dos programas existentes, partilhassem e debatessem objetivos pessoais e europeus e refletissem acerca de questões como segurança, proteção e apoios existentes.
No sentido de capacitar as participantes para a intervenção junto do target-group, o projeto teve reuniões semanais com a equipa do CJA e workshops e momentos informais para desenvolvimento de competências sobre conteúdos necessários à execução do projeto, como por exemplo:

  • Erasmus+ e CES
  • Planificação de atividades e projetos
  • Key competences e Youthpass
  • O processo de reflexão e o debriefing
  • Ferramentas, redes sociais e plataformas online
  • CV e Europass
  • Gestão de qualidade e ferramentas de gestão de projeto
  • Aulas de inglês com voluntários europeus


No sentido de promover o desenvolvimento pessoal, as jovens tiveram oportunidade de ser acompanhadas por uma mentora com a qual partilharam expectativas, geriram o seu mundo interno e fizeram dinâmicas de promoção da coesão de grupo e do bem-estar emocional. A supervisão técnica capacitou as jovens para o desenvolvimento, implementação e avaliação das atividades e todas as semanas houve um momento privilegiado de reflexão e integração de informação, através de uma reunião interna, para promover o crescimento pessoal e profissional das jovens.

ATIVIDADES COMPLEMENTARES – SEMINÁRIO

O seminário de apresentação do projeto e formação/sensibilização de jovens com menos oportunidades para a temática do emprego jovem foi preparado e implementado pelas participantes, no contexto local, sob orientação dos elementos da organização. O seminário consolidou o contacto com os jovens, com a comunidade e orientou para o seu método de trabalho. As jovens apresentaram o Programa Erasmus+, o Corpo Europeu de Solidariedade e o próprio JOB(S)olidairity em termos de objetivos, atividades, os resultados até então e os impactos ambicionados. De destacar que esta atividade foi focada na promoção da motivação e interesse da comunidade nas oportunidades existentes a nível europeu. Através desta iniciativa as jovens facilitaram um novo olhar sobre os problemas europeus de empregabilidade jovem e interligaram esse olhar com as mutações atuais efeito do Covid-19, e sobre os consequentes problemas de exclusão social.


Interrogar, responder e influenciar foi o mote para a realização do Seminário que, pela ação e contributos dos jovens, influenciou o pensamento e as ações dos jovens com menos oportunidades, formando-os para atitudes empreendedoras, conscientes e capazes de potenciar a mudança social. O Seminário foi caracterizado pela promoção de reflexão conjunta, debate e partilha de opiniões acerca das temáticas do projeto, promoção da igualdade de oportunidades e de género, promoção de uma linguagem inclusiva e de fácil compreensão, partilha de conteúdos ajustados à temática e objetivos do projeto, com conhecimentos transversais a diferentes metodologias de trabalho e abertura à participação, sem restrição.

ATIVIDADES DE AVALIAÇÃO

Ao longo do projeto foi feita monitorização da consecução de atividades, do alcance de objetivos do projeto e de metas pessoais, bem como foram efetuadas reuniões semanais com toda a equipa do CJA, mesmo que inicialmente estivesse estipulada uma reunião quinzenal. As jovens reuniram com a equipa da organização e expuseram aspetos positivos e negativos, pontos de melhoria, desafios e contributos, que facilitaram o processo de avaliação final e do impacto. A integração das jovens na reunião interna semanal do staff permitiu-lhes também ter um papel ativo no processo de tomada de decisão sobre o projeto e sobre o próprio do CJA, uma vez que os seus contributos são importantes e novas perspetivas são bem-vindas para o crescimento da organização.

 

Também foram realizadas reflexões pelas participantes sobre as atividades principais definidas e individualmente, mediante o seu estilo pessoal de aprendizagem, construíram o seu logbook onde registaram de forma livre o processo de participação no projeto, momentos, aprendizagens, entre outros. O processo de avaliação foi focado na participação e envolvimento nas atividades, na contribuição na tomada de decisões e no apoio à conceção e implementação do projeto e na análise das reflexões individuais e de grupo, de modo a perceber se o projeto correspondeu às expectativas.

 

Quanto à relação entre as participantes, a organização e os stakeholders, a monitorização seguiu o mesmo raciocínio, além de que foi analisada a comunicação, a partilha de informação e conteúdos pertinentes à construção do projeto, a análise da disponibilidade para apoio técnico e logístico às restantes organizações e a avaliação dos feedbacks e testemunhos das organizações sobre o projeto, a parceria e futuras colaborações.

ATIVIDADES DE VISIBILIDADE E DISSEMINAÇÃO

O projeto regeu-se com base no plano de comunicação e disseminação definido, dada a intenção de:

  • Promover o reconhecimento do CES no acesso a oportunidades de desenvolvimento de projetos de cariz social e juvenil e com foco na empregabilidade jovem;
  • Promover o reconhecimento do projeto como fonte de capacitação, informação e de consciencialização de jovens na construção do seu futuro;
  • Fomentar o envolvimento dos jovens locais em atividades que fomentem o seu desenvolvimento pessoal, social e profissional;
  • Fomentar o envolvimento de parceiros e de stakeholders com poder de influência para que o projeto e os resultados sejam escalabilizados a maiores escalas.

Para tal, as jovens recorreram às redes sociais do Centro de Juventude de Águeda e Psientífica, nomeadamente Facebook e Instagram, meios de comunicação local com propostas de comunicação de forma a aumentar a possibilidade de serem publicadas notícias por parte dos jornais locais e nacionais, eventos públicos de disseminação do projeto e de oportunidades na área da juventude, recurso a meios audiovisuais, disseminação do Corpo Europeu de Solidariedade e do Erasmus+. Através da integração nos projetos do CJA, as jovens tiveram oportunidade de partilhar testemunhos e apresentar o projeto. A gestão de propostas de conteúdo para as redes sociais do CJA também passou pela intervenção das participantes, ao nível da atualização das redes sociais com fotografias e notícias, bem como, com disponibilização dos conteúdos, materiais de apoio e outputs dos projetos.


O próprio conteúdo da página do projeto, onde são apresentadas linhas gerais sobre o JOB(S)olidarity, atividades, resultados e testemunhos foi criado pelas participantes, o que aumentou ainda mais o seu sentido de pertença ao CES e à organização, pela oportunidade de serem responsáveis por comunicar algo que é seu.

FINAL WEEK

Semana de despedida e de (re)integração das jovens. Esta semana teve o objetivo de promover a (re)integração das jovens no seu contexto, nos seus novos objetivos e metas pessoais e apoiar em todas as questões despoletadas no processo, fazer um balanço da experiência e celebrar o desenvolvimento de competências.

AS APRENDIZAGENS

Todos os participantes em projetos aprovados no âmbito das ações do programa Erasmus+ Juventude em Ação e Corpo Europeu de Solidariedade têm o direito de obter reconhecimento pela sua participação e aprendizagem que pode ser usado nas suas vidas futuras. Os Certificados Youthpass são o instrumento desenvolvido para este propósito. As participantes adquiriram e desenvolveram competências-chave com a sua experiência num projeto de estágios&emprego do Corpo Europeu de Solidariedade. No sentido de as suas competências serem reconhecidas, as participantes receberam o seu Youthpass no final do projeto. O certificado Youthpass foi mais uma ferramenta de reflexão sobre as aprendizagens das jovens participantes para integrarem competências chave essenciais para as suas vidas.

IMPACTO DO PROJETO

Os impactos do Job(S)olidarity 2.0 estão relacionados com os objetivos de desenvolvimento de competências e experiência pessoal, social e profissional das participantes para a adaptabilidade ao mercado de trabalho, para o conhecimento das oportunidades europeias, para a promoção da solidariedade e da inclusão social e para a criação de novas dinâmicas ajustadas às necessidades dos jovens.

Impacto nas jovens participantes:

a) Desenvolvimento de competências e experiência para facilitar a entrada e adaptabilidade no mercado de trabalho;

b) Integração no mercado de trabalho;

c) Desenvolvimento de pensamento e atitudes empreendedoras, com novas visões e ideias de ações necessárias para a concretização do seu projeto de vida;

d) Desenvolvimento e melhoria da capacidade de ser autónomo nas funções e tarefas;

e) Desenvolvimento e aumento do seu conhecimento e experiência que a nível teórico, quer a nível prático;

f) Maior envolvimento cívico, potencializado a partir da prática de intervenção contextualizada e estruturada em prol do desenvolvimento de objetivos sociais concretos.

Impacto nas organizações: Psientífica

a) Equipa mais qualificada e experiente no que refere à gestão de projetos e parcerias;
b) Equipa mais qualificada e experiente no que refere ao desenvolvimento de atividades e atividades no âmbito da juventude;
c) Equipa mais sensibilizada para os problemas sociais e para as necessidades dos jovens, reajustando as iniciativas com respostas inclusivas eficientes;
d) Aumento da capacidade e qualidade de intervenção quer a nível local, quer a nível europeu, fruto de mais experiência de qualidade no desenvolvimento de projetos;
e) Maior qualidade das ações no domínio da juventude, do social, cultural e educativo, inovadoras e inclusivas e responsivas aos desafios e necessidades da sociedade;
f) Consolidação das organizações nas suas regiões enquanto parceiros sociais de qualidade no domínio da juventude, a nível local, nacional e europeu/internacional.

Parceiros

a) Maior consciencialização, sensibilização e aptidão para trabalhar em conjunto com os jovens para a identificação e concretização de soluções para os problemas e necessidades comuns;
b) Sensibilização para o valor e potencial dos jovens na melhoria da sua atividade interna, graças à visão atual, comum a outros grupos e à veia empreendedora dos mesmos no desenvolvimento de soluções;
c) Motivação para trabalhar diretamente com os jovens e desenvolver atividades colaborativas, solidárias e de porta aberta ao mundo europeu;
d) Reforço da atuação no terreno, graças ao trabalho de proximidade com os jovens, e que trará benefício à comunidade.

Impacto no grupo-alvo:

a) Aumento da participação em projetos de desenvolvimento pessoal, social e profissional de jovens;
b) Aumento da participação em projetos de mobilidade;
c) Desenvolvimento e dinamização de atividades de aprendizagem para jovens;
d) Adesão a uma formação, emprego ou estágio; e) Maior abertura face às oportunidades de formação e emprego na Europa;
f) Maior interesse no associativismo juvenil e numa participação ativa na construção de soluções para as necessidades das suas comunidades;
g) Desenvolvimento de competências socio pessoais e de tolerância intercultural que permitam assumir uma postura saudável e positiva no contacto com a diferença.
Impacto na comunidade
a) Motivação e efetiva participação melhorada em atividades desenvolvidas para e pelos jovens;
b) Consciencialização para as oportunidades existentes a nível europeu, quer pelo Corpo Europeu de Solidariedade, quer pelo Programa Erasmus+, essenciais para o desenvolvimento pessoal, social e profissional;
c) Sensibilização para os valores sociais europeus como os designados no artigo 2º do Tratado da EU e da Declaração de Paris 2015 (por exemplo, não-discriminação, pluralismo, tolerância e respeito pelos direitos humanos, diversidade);
d) Reconhecimento da solidariedade, da partilha, do diálogo e da inclusão como valores para a mudança social graças ao trabalho colaborativo com os jovens do projeto, a Psientífica e outros parceiros de relevância envolvidos;
e) Desenvolvimento de competências pessoais, profissionais e sociais no âmbito das várias metodologias utilizadas no projeto com maior foco na educação não-formal, o que permitiu maior reconhecimento do valor e potencial individual;
f) Maior capacidade de influência de outros grupos sociais e/ou comunidades acerca da inclusão social e solidariedade, através da identificação de oportunidades e de soluções que possibilitem a mudança de trajeto de vida (por exemplo, identificar oportunidades de emprego, promover a mobilidade para capacitação, promover a interação com agentes sociais locais para criação de oportunidades);
g) Maior capacidade de lidar com as situações de menos oportunidades, de exclusão e/ou NEET, na medida em que existirá maior aptidão para o trabalho conjunto entre os jovens, as organizações locais e agentes de diferentes setores, onde cada parte poderá contribuir e impulsionar a criação de oportunidades.

Impacto local e regional:

a) Desenvolvimento por parte do concelho de atividades de informação e de formação aos jovens;
b) Aumento do conhecimento das necessidades e realidades dos jovens, nomeadamente com menos oportunidades, em risco ou situação de discriminação e jovens NEET;
c) Maior motivação e abertura dos jovens da região para o conhecimento de oportunidades europeias, nomeadamente o Corpo Europeu de Solidariedade;
d) Aumento de estratégias diversificadas nos setores políticos, empresas e organizações da região em implementar projetos quer de caráter local, quer de caráter europeu;
e) Valorização dos jovens como oportunidade de aprendizagem, crescimento e desenvolvimento de competências essenciais para uma maior empregabilidade e para potenciais profissionais no diversificado mercado de trabalho.

Impacto nacional:

a) Desenvolvimento e implementação de atividades de informação e de formação para os jovens através das redes sociais;
b) Maior reconhecimento das diferentes formas de envolver os jovens no mercado de trabalho;
c) Maior reconhecimento das diferentes formas de envolver os jovens nas dinâmicas desenvolvidas para a juventude;
d) Levantamento de atitudes empreendedoras para a construção de projetos sociais que tenham impacto e envolvam a sociedade civil;
e) Valorização dos jovens (nomeadamente com menos oportunidades, em risco ou situação de discriminação e jovens NEET) como oportunidade de aprendizagem, crescimento e desenvolvimento de competências essenciais para uma maior empregabilidade e para potenciais profissionais no mercado de trabalho.

Impacto europeu/internacional:

a) Estabelecimento de pontes para cooperação com outras organizações e países, nomeadamente no âmbito de projetos de mobilidade no âmbito da juventude;
b) Empoderamento dos jovens europeus e das organizações envolvidas, para atuarem nas suas comunidades de origem;
c) Melhoria substancial na empregabilidade juvenil europeia, na medida em que promove o empreendedorismo, a inclusão social dos jovens e a valorização do jovem enquanto profissional;
d) Consciência da importância da educação social, através da experimentação e do contacto direto, para a manutenção de um clima de inclusão, coesão e paz na Europa;
e) Contribuição para os objetivos da Europa 2020 e Estratégia da UE para a Juventude 2019-2027 em empregabilidade e inclusão social;
f) Sensibilização para a importância do desenvolvimento do diálogo intercultural nas comunidades rurais, de forma estruturada e alargada no tempo, como forma de combater comportamentos xenófobos.

VISIBILIDADE E DISSEMINAÇÃO

Este projeto é apoiado e financiado pela Agência Nacional Erasmus+ Juventude em Ação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *